_ _ _ _

segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

0 Nível de Serrinha cai 12 metros por semana e preocupa agricultores

+A +/- -A
O nível da barragem de Serrinha, na zona rural de Serra Talhada, está caindo 12 metros por semana, segundo agricultores que moram ao redor do lago de 311 milhões de metros cúbicos de água. E nem as fortes chuvas que começam a cair na região neste mês devem ter força o bastante para salvá-lo, já que os principais problemas de Serrinha são meramente humanos marcados pelo desperdício, burocracia e negligência. Há cerca de um ano, a barragem mantém duas comportas abertas, uma delas, conforme o Dnocs (Departamento Nacional de Obras Contra a Seca) e agricultores locais, deveria estar fechada.

Mas, por conta da quebra de um “macaco” hidráulico, milionárias doses ininterruptas de metros cúbicos de água estão sendo lançadas em direção ao nada todos os dias. Serrinha pode passar por momentos difíceis se a situação continuar. A reportagem do FAROL foi a campo averiguar a denúncia dos agricultores que moram ao redor da barragem e comprovou o desperdício. Cerca de 300 famílias que dependem do manancial, o qual represa águas do Rio Pajeú, se dizem desesperadas com o quadro da barragem.

“Vendo todo esse desperdício bate o desespero. É muita água sendo jogada fora, sem qualquer utilidade”, denuncia o agricultor Heleno Pereira da Silva, 62 anos. Ele afirma que a associação dos assentados da barragem se reuniu e comunicou ao Dnocs o problema. “Eles já vieram aqui duas vezes. A primeira, foi em abril de 2011, a segunda em novembro do ano passado. Apesar deles terem reconhecido o desperdício, nunca fizeram nada. Até agora estamos esperando respostas e a água está se gastando, caindo 12 metros por semana”, denuncia o morador, que nunca havia visto o nível do lago tão baixo.

“Antes, eu tinha até medo de chegar perto, pois era água demais. Agora o cenário está ficando tudo cinza”, relata Heleno Pereira, impressionado com a aparição de pequenas “ilhas”, isto é, bancos de terra no meio da barragem. Ele conta que o “macaco” hidráulico de uma das comportas está sem compressão e por isso perdeu força para segurar a água. “Desde que eu moro aqui, há dez anos, apenas uma comporta vivia aberta e liberando pouca água”, relembra. Heleno faz questão de acompanhar a lenta morte do açude averiguando, semanalmente, as marcações do nível do lago.

“Eu ainda lembro, um dia que vi as águas baterem quase no topo daquela escada”, relatou, apontando para as medições afixadas na parede de uma estação elevatória dentro da barragem. Nesta terça-feira (21), a série do FAROL vai expor a opinião do Dnocs sobre as denúncias de desperdício de água e como os assentados de Serrinha vêm sofrendo também devido a subutilização de um dos mananciais mais ricos de Serra Talhada. (Farol de Notícias/Fotos: Alejandro Garcia)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...